Alergia respiratória: o que é, quais os sintomas e como tratar

Alergia respiratória: aprenda mais sobre esse problema

  • alergia respiratória

Doenças respiratórias são uma das principais preocupações médicas dos países latino-americanos. De acordo com dados divulgados recentemente, as crises asmáticas causam a morte de três pessoas por dia e acometem mais de 20 milhões de pacientes apenas no Brasil. Diante desse cenário, é fundamental ressaltar que a alergia respiratória é um problema grave e pode se manifestar de duas formas: rinite ou asma.

Embora nenhuma dessas doenças tenha cura, o seu tratamento é muito eficiente na qualidade de vida e pode fazer com que os pacientes tenham uma vida normal e sem maiores problemas. Por isso, preparamos este artigo para mostrar as principais causas e formas de tratamento. Continue sua leitura e saiba tudo sobre o assunto. Acompanhe!

O que é alergia respiratória?

A alergia é uma condição médica causada pela reação do sistema imunológico diante da exposição a algum agente externo. No geral, essas substâncias estão presentes em microrganismos como ácaros e fungos, mas também podem ser causada pelo contato com insetos, penugem de animais, pólens de plantas ou a partir da ingestão de alguns alimentos e remédios.

Em linhas gerais, ela acontece a partir do contato do alérgeno com as vias respiratórias e ativação do sistema imunológico com liberação de substâncias (ex. histamina) que agem sobre as estruturas da respiração (cavidades orais e nasais, faringe, laringe, traqueia, brônquio ou pulmão) provocando sintomas (coriza, coceira especialmente na região do nariz e olhos, espirros, tosse, falta de ar e dor no peito). Conhecer a região afetada, por exemplo, é um passo fundamental para identificar o tipo de alergia ocorrida e qual o tratamento mais adequado. No caso das vias aéreas superiores, são comuns o desenvolvimento de rinites. Já nas vias inferiores, o paciente desenvolve o quadro de asma que, em casos mais graves, pode levá-lo a óbito. Veja, a seguir, mais detalhes sobre cada uma dessas doenças.

Rinite

As rinites são problemas ocorridos no sistema respiratório e podem ser classificados de duas formas: aguda, quando o paciente apresenta melhora em 10 dias ou crônica, quando o problema persiste por mais de 90 dias consecutivos. Os principais sintomas atrelados a esse problema são espirros, coceira no nariz e na garganta, obstrução das vias nasais e coriza. A maioria dos pacientes confunde o quadro com resfriados ou gripes persistentes.

Além de ser um problema que afeta a qualidade do sono e a rotina dos pacientes, a rinite está diretamente relacionada com a asma. Por isso, apenas 20% dos asmáticos estão livres dos sintomas da rinite. Ainda, essa doença pode surgir por causas não alérgicas, quando o sistema imunológico não é afetado ou quando ocorre a infecção por vírus e bactérias, por exemplo.

Asma

A asma é uma doença causada pela inflamação crônica do trato respiratório inferior. Ela pode ser classificada de acordo com a intensidade e periodicidade dos sintomas, variando entre intermitente e persistente leve, moderada ou grave. Enquanto nos quadros mais leves a doença causa desconfortos e sintomas não limitantes no dia a dia (tosse e “cansaço” aos esforços), o seu estado mais avançado pode causar limitação importante de atividades diárias (sono, atividades físicas básicas), internações hospitalares e óbito.

Em geral, as suas causas estão atreladas a exposição de substâncias alérgicas que são transportadas pelo ar e há piora importante quando associadas a produtos que provocam inflamação da via aérea (ex. tabagismo, poluição). A asma tem associação genética com doenças alérgicas, ou seja, há maior incidência em famílias cujos membros possuem rinite alérgica, asma, dermatite atópica, alergia alimentar dentre outras. Além disso, a exposição em ambientes de trabalho com excesso de poeira, as secreções hormonais, a mudança de temperatura, a utilização de medicamentos pode provocar a exacerbação da asma.

Como tratar a alergia respiratória?

As alergias estão associadas a questões diversas e os fatores de risco desse problema podem contribuir massivamente para um tratamento ineficiente. Diante desse cenário, é fundamental que ocorra um processo multidisciplinar, envolvendo a ministração de medicamentos e colocando em prática algumas medidas de controle ambiental, que pode incluir:

  • permanência em ambientes ventilados;
  • controle de cheiros fortes;
  • evitar contato com cigarro;
  • dissipadores de fumaça e poeira;
  • troca de colchões e roupas de cama;
  • convivência restrita com animais de estimação, quando alérgico;
  • preferir limpeza domiciliar com pano úmido ao invés de varrer;

 

Concluindo, promover o tratamento médico adequado é um passo indispensável para garantir a manutenção da qualidade de vida das pessoas que sofrem com alergia respiratória. Ainda, é fundamental redobrar os cuidados com aqueles que apresentam uma predisposição a desenvolver reações alérgicas a qualquer tipo de material, mudança climática ou microrganismo.

O que achou das informações que trouxemos para você? Conhecer os principais aspectos sobre esse assunto é fundamental para promover um tratamento adequado. Por isso, compartilhe esse texto em suas redes sociais para que seus amigos e familiares também entendam melhor sobre como cuidar do bem-estar.

2019-02-27T17:55:15+00:00 27 de fevereiro de 2019|Categories: Alergia|Tags: , |