Entenda o que é a Doença Celíaca e como tratá-la.

Síndrome Metabólica: entenda o que é e como trata-lá.

  • síndrome metabólica

É uma condição crônica e autoimune, que afeta o intestino delgado de adultos e crianças geneticamente predispostos. A doença causa atrofia da mucosa do intestino, resultando prejuízo na absorção dos nutrientes, sais minerais e água.

Doença Celíaca e Sensibilidade ao glúten, são a mesma coisa?

A resposta é NÃO!

A doença celíaca é diferente, pois ao contrário da sensibilidade ao glúten causa danos ao intestino delgado. Porém, se você tem a sensibilidade ao glúten pode apresentar sintomas semelhantes aos da doença celíaca.

E, o que é Glúten?

O glúten nada mais é do que uma proteína de tamanho grande, formada por duas proteínas menores chamadas gliadina e glutenina. Ele é encontrado junto ao amido, em cereais como trigo, centeio, cevada, triticale e malte.

Divisões da Doença Celíaca.

Clássica: comum na infância entre o primeiro e terceiro ano de vida, geralmente quando se introduz alimentação à base de papinhas de pão, sopinhas e industrializados. Causa diarreia crônica, anemia ferropriva sem cura, perda de peso, falta de apetite, desnutrição, vômitos, dor abdominal.

Não Clássica: apresenta poucos sintomas e os gastrintestinais são mais discretos. Causa anemia resistente, fadiga, irritabilidade, obstipação

Assintomática: o paciente não sente nenhum sintoma. O diagnóstico é realizado a partir de pesquisa de anticorpos em familiares com primeiro grau de parentesco. Pode evoluir para câncer no intestino, anemia, osteoporose, esterilidade.

O que causa a Doença Celíaca?

A doença pode ser explicada devido à presença geneticamente de anticorpos produzidos pelo sistema imunológico contra a proteína glúten.

Decorrente a isso, os anticorpos irão atacar a mucosa intestinal, causando a inflamação no local, atrofia das vilosidades intestinais e consequentemente, má absorção dos nutrientes.

Tem prevenção?

Ainda não existe como impedir a produção de anticorpos contra o glúten. Entretanto, como é uma doença genética, possuir o histórico familiar pode colaborar no diagnóstico precoce.

Fatores de risco:

  • Familiar com portador da doença;
  • Tireoidite autoimune;
  • Doença de Addison;
  • Síndrome de Down;
  • Diabetes tipo 1;
  • Artrite reumatoide.

Principais sintomas:

  • Dor abdominal e distenção;
  • Diarreia;
  • Flatulência;
  • Queda de cabelo;
  • Fraqueza;

Em crianças com menos de 2 anos de idade, os sinais e sintomas típicos da doença celíaca incluem:

  • Vômito;
  • Diarreia crônica;
  • Barriga inchada;
  • Falha em prosperar;
  • Pouco apetite;
  • Perda de massa muscular.

As crianças mais velhas podem apresentar:

  • Diarreia;
  • Prisão de ventre;
  • Perda de peso;
  • Irritabilidade;
  • Baixa estatura;
  • Puberdade tardia;
  • Sintomas neurológicos, incluindo transtorno de déficit de atenção/hiperatividade (TDAH), dificuldades de aprendizagem, dores de cabeça, falta de coordenação muscular e convulsões.

Diagnóstico

Como os sintomas são variados e facilmente confundido com outras patologias, o diagnóstico é realizado através de exames de sangue, baseando-se na pesquisa de anticorpos contra o glúten.

Tratamento

A principal forme de tratar a doença celíaca, é uma dieta com total ausência de glúten. A maior dificuldade para os pacientes é conviver com as restrições impostas pelos novos hábitos alimentares. A doença celíaca não tem cura, por isso, a dieta deve ser seguida rigorosamente pelo resto da vida. 

Se notou alguns dos sintomas presentes nesse texto e possui histórico familiar, procure o seu médico o mais rápido possível!